Bem vindo Visitante!

logomarcar radio pontal

Peça sua música

TRIÂNGULO - Juiz reage a assalto e dois criminosos morrem baleados em Uberlândia

TRIÂNGULO - Juiz reage a assalto e dois criminosos morrem baleados em Uberlândia

Por: Caroline Aleixo

10/02/2017

Terceiro suspeito fugiu em um carro de passeio com arma em punho. 
Ocorrência foi registrada em lanchonete no Bairro Luizote de Freitas.

Um juiz da comarca de Uberlândia, de 53 anos, atirou contra dois criminosos durante um assalto, na madrugada desta sexta-feira (10), no Bairro Luizote de Freitas. Os assaltantes não resistiram aos ferimentos e morreram no local. Outro suspeito fugiu após o fato e o juiz apresentou aos policiais a arma usada no crime.

Após o fato, a Associação dos Magistrados Mineiros (Amagis) enviou nota à imprensa manifestando apoio ao magistrado.

De acordo com as informações Polícia Militar (PM), o fato foi registrado por volta da meia-noite em uma lanchonete na Avenida Doutor João Manoel Tannus. Três suspeitos chegaram ao estabelecimento armados e anunciaram o assalto. Foram roubados seis aparelhos celulares de clientes e cerca de R$ 50 em dinheiro.   

As vítimas relataram aos militares que um dos autores estava encapuzado e, portando um revólver calibre 32, foi em direção ao caixa e ameaçou o proprietário do estabelecimento. Outro autor dava apoio ao assalto portando uma pistola.

Durante a ação, um dos criminosos teria apontado a arma para o magistrado que também estava no local. Momento que, em legítima defesa, o juiz sacou uma pistola e disparou contra os autores, sendo dois atingidos na cabeça e pescoço.

A identificação e idade dos autores não foram informadas. A polícia faz rastreamentos na tentativa de localizar o outro suspeito que fugiu em um carro de passeio sentido ao Bairro Planalto. A perícia técnica da Polícia Civil também foi acionada e parte dos materiais roubados localizada com um dos autores mortos.

O juiz aguardou a chegada da polícia para prestar esclarecimentos e apresentou a arma utilizada - uma pistola 380 - para ser periciada.

Conforme foi informado pela comunicação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o juiz deverá se apresentar ao presidente do TJ, em Belo Horizonte, o qual iniciará uma investigação sobre o fato, conforme Lei Orgânica da Magistratura que trata sobre crimes cometidos por membros do judiciário.

Fonte: G1